-Publi-A-

Nós e a água

O rio Amazonas é o segundo rio mais extenso do mundo, sendo o de maior fluxo de água e é rodeado por ele que vivemos.

A água é a substância mais abundante na superfície do planeta, participando de processos modeladores através da dissolução de materiais terrestres.   

É a água que mantém a vida sobre a terra, pela fotossíntese, que produz biomassa pela reação de CO2 e H2O. Lembrando que 80% do corpo humano é composto por água.

A água distribui-se na atmosfera e na parte superficial da crosta até uma profundidade de 10 km, constituindo a hidrosfera, que consiste em uma série de reservatórios como os oceanos geleiras, água subterrânea, rios, lagos, vapor de água e água retida nos seres vivos. O intercâmbio entre estes reservatórios compreende o ciclo hidrológico.

A origem da água está relacionada com a formação da atmosfera, ou seja, a degaseificação do planeta: fenômeno de liberação de gases por um sólido ou líquido quando este é aquecido ou resfriado, este processo teve seu início na fase de resfriamento geral da terra. A geração de água sob forma de vapor é observada atualmente em erupções vulcânicas – sendo chamada água juvenil.

A importância da água subterrânea pode ser medida por suas reservas em relação às das águas superficiais. Estima-se que, de toda a água existente no mundo, os oceanos e mares representam 97,4%. A água doce dos gelos polares e das geleiras é representado por 2%.  0,5% representa as águas doces subterrâneas, 0,1% representa água doce de rios e lagos, inclusive o vapor de água da atmosfera.

De tudo isso faz-se necessário fazermos uma reflexão sobre tudo que estamos fazendo.

No Amazonas sempre usamos os rios como nossos caminhos naturais; com o desenvolvimento passamos a ter nossos rios como estradas ou hidrovias. Obviamente que tudo isso foi e é feito sem nenhum cuidado. Os barcos grandes e pequenos poluem de todas as formas e com todos os materiais seja óleo (derivado de petróleo ou de cozinha) ou qualquer outro material atirado nas hidrovias. E tudo isso ocorre em nome do desenvolvimento. As cidades poluem de forma assustadoras, nenhuma cidade do nosso Amazonas tem tratamento de efluente e tudo é colocado nos rios através da rede de esgoto; o lixo das lixeiras certamente que irá poluir  os lençóis freáticos e consequentemente os rios. As mineradoras também fazem sua parte, poluindo de forma assustadora.

Então o que fazer?

Considerando que estamos correndo atrás do problema, que a população aumenta de forma quase que em progressão geométrica (e não por causa do bolsa família), que hoje o mundo conta com uma população em torno de sete bilhões, sem considerar outros animais, e que, a tendência é aumentar esse número, pois os seres humanos terão mais alguns anos de vida extras. Então precisamos de muitas ações e, elas podem ser desenvolvidas em casa, nas escolas, nas associações em geral, nas igrejas, templos, nos comércios em geral e etc. Devemos estar sempre em constante luta contra cada ação nossa. Devemos lembrar sempre que a terra não precisa de nós. Nós precisamos intensamente do ambiente em que vivemos. De nada vai servir o discurso  de vida saudável se vamos destruir todos os rios e consequentemente os mares.

Os barcos deveriam ter áreas para recolher todo os resíduos. Obviamente que os donos gritarão e pedirão que os municípios façam suas partes, ou seja, ter locais para recolher e tratar os resíduos.

Em fim, se continuarmos brincando de faz de conta, uns acusando outros, estamos fadados à completa desgraça vendo pessoas morrerem e o dinheiro público, principalmente da saúde, indo para o lixo.

PENSE! SE VOCÊ É UM SER HUMANO E FAZ PARTE DO NOSSO AMBIENTE. ENTÃO COMECE A AGIR, POIS RESTA POUCO TEMPO! TODOS ERRAMOS. MAS PODEMOS LUTAR PARA DIMINUIR O ERRO.

você pode gostar também