Padre Fábio de Melo, acusado de machismo, se explica na web: ‘Fui infeliz’

Padre Fábio de Melo se envolveu em uma polêmica nesta segunda-feira (27). O religioso, que já ironizou boatos sobre um falso casamento, está sendo acusado de machismo depois que um trecho de uma pregação feita em 2007 foi divulgado no Twitter. Na mensagem, ele fala de violência doméstica e afirma que as pessoas são responsáveis pela forma como são tratadas.

“Eu sempre digo, as mulheres que são agredidas fisicamente pelos seus maridos, no dia em que ela recebe a primeira agressão, ela que vai determinar para ele se ele vai ter o direito de agredi-lo a vida inteira ou não. É o jeito como ela olha pra ele. Não é nenhuma palavra, nenhum grito que vai dizer ‘não me bata’, mas é o sei jeito de ser mulher. O agressor só se torna agressor porque a vítima o autoriza”.

Criticado pelo post, o sacerdote, comparado ao ator Ricardo Tozzi, se desculpou. “Peço perdão. Eu nunca pretendi dizer que a vítima é culpada. Apenas salientei que a não denúncia reforça o agressor. É muito desconfortável ser promotor do que abominamos. Culpar a vítima é abominável. Se fui infeliz na linguagem, resta-me retratar”, escreveu.

“Sempre refleti sobre o risco que uma relação afetiva tem de evoluir para o sequestro da subjetividade. Cresci entre as minorias. Nunca me distanciei dos sofrimentos que vi de perto. Por isto faço questão da retratação”, afirmou ele, amigo íntimo de Angélica e Luciano Huck.

Do Purepeople

você pode gostar também