Parintinense pede doação de prêmios para fazer rifa em prol à saúde do filho que tem hidrocefalia

Foto: Gilson Almeida.

Gilson Almeida | 24 Horas
[email protected]

Gerlane Cordeiro Figueiredo, de 23 anos, pede doação da população de prêmios para realizar uma rifa em prol a saúde de seu filho José Benício, de apenas nove meses, que foi diagnosticado com hidrocefalia, quando há um bloqueio no sistema ventricular do cérebro impedindo que o líquido cefalorraquidiano flua normalmente pelo cérebro e medula espinhal. Esta obstrução pode surgir no nascimento ou até mesmo após. Quem puder ajudar, pode levar a doação até a residência da família, situada na Rua Sila Marçal, nº 4211, bairro Itaúna 1, ou entrar em contato pelos números (92) 99422-3621 e (92) 98488-6688.

O pequeno José Benício nasceu prematuro, de seis meses e 29 dias, dia 03 de julho de 2020 no Hospital Padre Colombo, em Parintins. No dia seguinte ele foi transferido para um hospital de Manaus onde ficou internado por 69 dias. Com dois meses, o bebê foi submetido a uma cirurgia onde foi implantado no cérebro uma válvula para drenar o líquido. Além disso, José Benício é intolerante a lactose.

Gerlane Figueiredo está desempregada e busca renda com vendas no brechó. A jovem também recebe ajuda da família e de outras pessoas. Ela conta que o benefício de seu filho está em análise e tudo ficou mais difícil quando o pai do bebê faleceu. “Agora ficou muito difícil psicologicamente para mim, psicologicamente para meu filho mais velho. É muito pesado para mim, muito mesmo. É muito trabalho ficar com meu filho, eu tento ser forte e não consigo, mas como tenho ele, não posso desistir. Ele é uma criança que veio para me mostrar o quanto tenho que batalhar”, disse a mãe emocionada.

A jovem viajará com seu filho para a capital do estado sábado (24) para ele tomar o palivizumabe, um tipo de anticorpo “pronto” que previne formas graves de infecção pelo vírus sincicial respiratório (VSR) em bebês de alto risco. Também será verificado o andamento da tomografia craniana que ele tem que fazer pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A parintinense desabafa que pelo SUS esse exame demora muito e que seu filho não pode esperar.

“Caso venha acontecer de alguém nos ajudar a bater essa tomografia vai ajudar muito o José porque não sabemos o que está acontecendo dentro da cabecinha dele, visivelmente dá para perceber como é que ela está, mas por dentro não dá para saber como está sendo drenado esse líquido, como a válvula está funcionando, por onde ela está passando. Na última vez que o José foi com o neuropediatra eu falei para ele que eu estão estava mais conseguindo sentir a válvula. Ela desceu um pouco mais. Nós encontramos ela um pouco mais abaixo da nuca, foi que verificamos com o doutor que a válvula estava funcionando, mas que o crânio estava desproporcional”, falou Gerlane.

Após ser realizado a tomografia, o neuropediatra irá verificar se José Benício precisará ou não passar por outro procedimento cirúrgico.

você pode gostar também