PM escolta soldado suspeito de matar vizinho em Manaus e entra em confronto com moradores

O soldado Ângelo Rodrigues Leite, suspeito de matar o ex-presidiário Anderson Farias Silva, 25, com um tiro no tórax, na madrugada deste domingo (17), saiu da casa onde morava, no Beco Raquel, bairro Petrópolis, escoltado por policiais militares da 3ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom) e da Força Tática. Durante a saída, houve confronto entre moradores e policiais.

O soldado é apontado pela família da vítima como autor do crime, que ocorreu por volta de 4h. Ele nega que atirou no ex-presidiário, no entanto, moradores informaram para reportagem que Ângelo, morador do local há cerca de quatro meses, é  acostumado a agredir moradores do beco.

Segundo o policial D. Santos, da 3ª Cicom,  os policiais da Companhia vieram para o local porque o soldado Ângelo ligou pedindo ajuda. O suspeito informou que um grupo de moradores estavam tentando depredar e invadir a casa dele.

Para a reportagem, D. Santos informou não saber do caso do homicídio. Ao Dez Minutos, Ângelo disse não ter praticado nenhum crime e afirmou não saber o porquê dos moradores quererem invadir a casa dele. Desde às 9h, policiais da 3ª Cicom, Força Tática e Rocam auxiliam a família do soldado suspeito a sair da casa onde morava. Durante a mudança,  houve confronto entre os policiais e os moradores. Policiais efetuaram disparos para  conter a população.

Crime

De acordo com a sogra do ex-presidiário, uma diarista de 46 anos, que preferiu não ter o  nome divulgado, durante a madrugada, o policial foi bater na porta da casa de Anderson.  “Meu genro foi atender e quando abriu a porta era esse policial. Eles começaram a discutir. Minha filha não queria que ele saísse,  mas ele pulou a janela e passaram a lutar do lado de fora”, lembrou.

Ainda conforme a mulher,  Anderson lutava para desarmar o homem, mas mesmo assim foi baleado. “Minha filha gritava por ajuda e para que o homem não atirasse no Anderson, mas, mesmo assim, ele ainda atirou quatro vezes”,  disse.

A sogra informou também que o outro irmão de Anderson, um rapaz, segundo ela, de 19 anos, também tentou intervir, mas não conseguiu. Após os disparos, o ex-presidiário acabou sendo atingido no tórax.  Ele foi socorrido e levado ao hospital, mas não resistiu e morreu.

O caso foi registrado na Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).

Do 10 Minutos

você pode gostar também