-Publi-A-

Polícia prende suspeitos de crime bárbaro no interior de Barreirinha

Eldiney Alcântara / Niash dos Anjos  | 24 Horas

[email protected]

A polícia de Barreirinha prendeu os suspeitos de um crime bárbaro ocorrido no dia 15 de fevereiro de 2021, quando o jovem José Roberto Carvalho de Souza, 19 anos, foi morto com requintes de crueldade na zona rural. A equipe de investigação prendeu Alfredo Rodrigues Ferreira (20) e Luís Souza Costa (21) após serem notificados para prestarem esclarecimento ao delegado Enéas Gonçalves na 42ª Delegacia interativa de Polícia (DIP) de Barreirinha. Os investigadores e membros da Guarda Civil Municipal foram até a comunidade Cristo Redentor para também efetuar a prisão de Rodrigo Cunha Sales (21).

Os detidos são acusados da morte de José Roberto, que foi encontrado em uma canoa entre as comunidades Canarinho e Cristo Redentor, às margens do rio Andirá. Durante a autopsia foi constatado que ele teve perda das vísceras. O crime chocou a cidade pela crueldade da morte.

O investigador da PC, Jander Nascimento, disse que nunca tinha visto um crime tão bárbaro no interior do estado, “Eu já vi esse tipo de crime em penitenciária, na capital, mas um crime tão bárbaro como esse que teve requintes de crueldade eu nunca pude imaginar que pudesse acontecer no interior”, disse impressionado.

Possíveis motivos

A motivação do homicídio segue duas hipóteses, relatou o investigador Nascimento. “De acordo com as investigações, a vítima estava devendo dinheiro de droga para um dos acusados, e eles foram fazer a cobrança e cometeram o homicídio. Mas, de acordo com a confissão de um deles, essa história não confirma. Eles alegaram que foi por causa de bebida mesmo, beberam uma cachaça chamada ‘camelo’ e aí perderam o juízo e mataram o José Roberto”, conta o policial.

Se condenados, os suspeitos podem ser sentenciados a pena máxima de 30 anos de cadeia, segundo o Código Penal Brasileiro. A equipe do 42ª DIP investiga no banco de dados da polícia se algum dos suspeitos é procurado na capital do estado.

O investigador Otavio Brasil contou que através de populares foi possível chegar aos indivíduos. “Nossa equipe é preparada e nós chegamos a coletar vários dados de populares, enfim, chegando aos três que foram detidos. Realmente, um crime muito bárbaro é difícil ver na sociedade, mas graças a Deus conseguimos prender os envolvidos nesse crime”, finalizou.

Foto: Juliano do Click

você pode gostar também