Presídio tem novos carcereiros, EPIs e atendimento médico, após decisão liminar em ação da Defensoria Pública

Foto: CNA7/Divulgação

Da Redação

Portal Parintins 24 Horas

 

Parintins (AM) – A Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) realizou atendimento médico à população carcerária, no sábado (09). Hoje (10), chegaram três agentes penitenciários e Equipamentos de Proteção Individual (EPI) para o presídio. Testes rápidos em massa detectaram 26 detentos e um carcereiro infectados pelo novo coronavírus, no dia 07.


Essas ações desenvolvidas são resultados da atuação da Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM) que solicitou, no dia 02 de maio, conforme a Recomendação n° 62/2020 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a necessidade de Plano de Contingência para Enfrentamento da Covid-19 no sistema prisional do município.

A série de medidas apontadas pela Defensoria Pública do Polo do Baixo Amazonas pretendia promover a gestão da crise gerada pela chegada da doença no sistema penitenciário. No entanto, o descumprimento da recomendação por parte das autoridades da saúde e da segurança pública fez a DPE-AM ajuizar Ação Civil Pública (ACP), no dia 06.

Em decisão liminar, a juíza de direito plantonista, titular da 1ª Vara da Comarca de Parintins, Juliana Arrais Mourinho, acatou todos os pedidos de providências elencados no documento sobre a situação carcerária, assinado pelos defensores públicos: Enale de Castro, Gabriela Gonçalves, Gabriel Herzog, Luiz Gustavo Cardoso e Rafael Lutti.

Entre as medidas urgentes, destacou-se a prioridade do aumento do quantitativo de agentes penitenciários na Unidade Prisional de Parintins, devido aos afastamentos de servidores e haver apenas um carcereiro, antes da apresentação da ação, com a disponibilidade de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs).

Além do Estado do Amazonas, também figurou como réu, na ação, o Município de Parintins, por não ter sido acatada a Recomendação da Defensoria Pública, endereçada tanto à Semsa, quanto à Coordenadoria de Vigilância em Saúde (CVS). A decisão judicial assegurou o acesso à saúde pública, por ser direito de todas as pessoas.

A própria Nota Técnica Conjunta nº 01/2020 do CNJ/CNMP26 orienta o Departamento Penitenciário Nacional (Depen) a adotar providências para viabilizar a testagem em massa de todas as pessoas presas ou internadas em unidades, onde já haja caso de confirmação de diagnóstico por Covid-19, assim como dos agentes públicos em atividade.

Entre os pedidos da DPE acatados pela juíza Juliana Arrais Mousinho estava a testagem rápida em massa na população carcerária. Conforme a defensora pública Gabriela Gonçalves, além de haver conhecimento de que o município dispunha de quantidade suficiente de testes rápidos, porque já havia sete presos com a Covid-19, desde 1° de maio.

A ACP objetivou ter ciência do número de pessoas contaminadas pela doença no presídio para ser tomada a medida correta no âmbito da execução penal, para evitar uma eventual repercussão na comunidade parintinense e agravamento na sobrecarga do sistema de saúde e do Hospital Jofre Cohen, referência no tratamento da Covid-19.

Após a decisão liminar expedida pela Justiça de Parintins, 28 custodiados foram submetidos à testagem rápida, dos quais, 15 deram resultado positivo para coronavírus, no dia 07 de maio. Esse número, somado aos outros casos confirmados, resulta em um universo de 61 % da população carcerária de Parintins contaminada com a Covid-19.

Médico Daniel Tanaka fez atendimento aos detentos.

A liminar da juíza Juliana Arrais Mousinho determinou atendimento por profissional médico aos internos. O anestesiologista Daniel Tanaka, diretor de Enfrentamento à Pandemia de Covid-19 no Hospital Jofre Cohen, promoveu prescrição e dispensação de medicamentos, novos testes e orientação aos familiares dos encarcerados, no dia 09 de maio.

Todas as medidas buscam conter o aumento da pressão e o indesejado colapso na saúde. “Permitem que o tempo de resposta do sistema, já em crise, seja satisfatório. Nos casos agravados, o surgimento dos sintomas ocorre de maneira rápida, com a piora veloz do indivíduo infectado que, passará a ocupar um leito hospitalar”, enfatiza Gabriela Gonçalves.

Como resultado da ação da Defensoria Pública, o sistema prisional de Parintins ganhou reforço de EPIs e de três agentes carcerários vinculados à Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), para atuar não só no presídio, mas na escolta dos internos, acaso seja necessário atendimento de emergência no Hospital Jofre Cohen.

você pode gostar também