Preso preventivamente, avô é acusado de estuprar neta na roça

Em cumprimento a mandado de prisão preventiva expedido pela 1ª Vara da Comarca de Parintins, investigadores da Polícia Civil prenderam um agricultor de 68 anos, acusado de estupro de vulnerável, na comunidade São Benedito do Simão, no rio Jacú, região do Uaicurapá, na manhã desta terça-feira, (12). A equipe foi comandada pela delegada Alessandra Trigueiro, titular da Delegacia Especializada em Combate a Crimes contra Mulheres, Idosos, Crianças e Adolescentes.

A prisão preventiva é assinada pelo juiz de direito, Lucas Couto Bezerra. De acordo com a Polícia Civil, o pai da menor, hoje com nove anos de idade, denunciou o crime no mês de novembro de 2018, no qual a filha sofria abusos sexuais praticados pelo avô. Em declaração prestada à autoridade policial, a vítima relatou que passou a sofrer abusos sexuais desde os 7 anos de idade, quando o avô a levava para a roça.

Ainda de acordo com a Polícia Civil, as investigações apontaram que o modus operandi do acusado foi perpetrado, com abuso de confiança. O agricultor utilizava-se de ameaça e domínio sobre a neta para praticar os atos sexuais e libidinosos. Diante de robustos elementos de informação coletados na investigação do caso, a polícia representou pela prisão preventiva do acusado.

Preenchidos os pressupostos legais, quais sejam, a prova da materialidade, os indícios de autoria e a necessidade de acautelar a ordem pública, a justiça decretou a prisão preventiva do agricultor. Antes o exposto, os investigadores se deslocaram até a comunidade rural São Benedito do Simão, rio Jacú, distante 49 quilômetros da zona urbana de Parintins, onde efetuaram a prisão do acusado.

O agricultor irá responder pela prática do crime de estupro de vulnerável, previsto no artigo 217-A do Código Penal Brasileiro (CPB), e tão logo será encaminhado para Unidade Prisional de Parintins, onde ficará à disposição da Justiça.

Foto: Márcio Costa/AM EM PAUTA

você pode gostar também