-Publi-A-

Procurador-geral do MP-AM diz ao Fantástico que Adail Pinheiro pode voltar para a cadeia

Adail Pinheiro teve mal comportamento na cadeia, mas sindicância da Polícia Militar foi ignorada (Foto: Câmara dos Deputados)

MANAUS – O procurador-geral de Justiça em exercício, Pedro Bezerra, disse ao programa Fantástico que o MP-AM (Ministério Público do Estado do Amazonas) poderá recorrer da decisão do juiz da Vara de Execuções Penais, Luís Carlos Valois, que extinguiu a pena de prisão do ex-prefeito de Coari, Adail Pinheiro, e ele poderá voltar para a cadeia.

A possibilidade de recurso do MP-AM só veio à tona por ocasião da reportagem do Fantástico, que esteve em Manaus na semana passada. A matéria assinada pela repórter Giuliana Girardi, mostra que tanto o Ministério Público quanto o juiz ignoraram o “péssimo comportamento” de Adail Pinheiro na prisão. Em junho de 2016, a polícia encontrou três aparelhos de telefone celular e dinheiro na cela que o ex-prefeito dividia com outro peso. A investigação da Polícia Militar constatou que os telefones eram de Adail e ele chegou a ser punido com suspensão de visitas e banho de sol.

A certidão carcerária e disciplinar de Adail Pinheiro, produzida pela Polícia Militar, diz que ele cometeu “transgressão grave” e teve “comportamento péssimo”. O resultado da sindicância foi enviado à época para o Ministério Público e para a Justiça, mas, de acordo com o Fantástico, o juiz Luís Carlos Valois ignorou o trabalho da PM. O juiz diz que não houve investigação e que a PM apenas informou que foram apreendidos os celulares.

O promotor de Justiça Angelo Granja, que assinou o parecer do Ministério Público concordando com a extinção da pena de Adail Pinheiro disse que, “o comportamento dele [Adail], como aquilo [a sindicância] não foi considerado, ficou sendo como bom”.

“É uma brecha que se abre para que o Ministério Público possa recorrer”, disse Pedro Bezerra. A repórter pergunta: “Com ele podendo voltar à cadeia?” “Há essa possibilidade”, respondeu o procurador-geral em exercício.

Fonte: Amazonas Atual

você pode gostar também