-Publi-A-

Quadrilha de São Paulo aplica golpes usando CNPJ de empresa Parintinense

Uma quadrilha instalada possivelmente na cidade de São Paulo vem aplicando vários golpes de estelionatos nos consumidores em várias cidades do Brasil e utiliza CNPJ de uma empresa Parintinense para aparentar veracidade das vendas. O CNPJ utilizado pertence as empresas do ex-presidente do Caprichoso, Joilto Azedo, e vem causando transtornos e problemas judiciais para o empresário Parintinense.

A quadrilha vendia aparelhos celulares e não entregava. Agora as pessoas enganadas ingressaram com denúncias nos PROCONs e posteriormente na justiça pedindo indenização. Como o CNPJ é da empresa de Joilto, as ações judiciais são direcionadas contra o parintinense.

Segundo o advogado Melo, associado do escritório Silva e Silva Advogados, a quadrilha utilizava a página na rede social Instagram de nome “Cellpointparintins” para oferecer os celulares a preço bem abaixo do mercado e realizar a transação da venda. “A negociação era feira tudo através da página. Um aparelho que custa na média de R$ 1.500,00 era vendido por 500 reais. A pessoa imaginava estar fazendo uma boa compra. Depositava o dinheiro e nunca recebia a mercadoria. Estamos fazendo esse alerta para os comerciantes de Parintins que também correm risco de terem o CNPJ copiado e utilizado nesses crimes”, comentou o advogado.

O juiz de direito da Comarca de Parintins Fabio Cesar Olintho já deu liminar a favor da empresa de Joilto Azedo para que a rede social Instagram, que pertence ao Facebook, retire a página do ar. Na decisão o magistrado aplica multa de mil reais diários caso o aplicativo não cumpra a decisão. O valor chega até R$ 15 mil reais. “Agradecemos a sensibilidade do juiz Fabio na decisão, pois trata-se de crime cometido através da internet e tem várias pessoas lesadas. Quem comprou e também o empresário Joilto que teve a empresa dele envolvida sem nunca ter feito essas vendas”, diz Melo.
Pessoas nos estados de Santa Catarina, São Paulo, Paraná e outras cidades foram lesadas.

A página “Cellpointparitins” tinha mais de 80 mil seguidores. Depois da ação judicial os administrados deletaram a página, mas criaram uma nova página “Cell.pointt”. Nela a quadrilha informa ter autorização da Anatel para vender, faz entrega em todo o Brasil e ainda diz ter sede na cidade de Parintins.

O empresário Joilto Azedo disse que aguarda a solução do caso e alerta os consumidores para ficarem atentos na hora de comprar algo pela internet. As empresas de Joilto tem mais de 30 anos no mercado Parintinense e nunca foi envolvida nesse tipo de denúncia ou escândalo.

Do Parintins Amazonas

você pode gostar também