Rai Góes: A costureira de Nossa Senhora do Carmo

Rai Góes chega a décimo oitavo ano produzindo os matos de nossa senhora. Foto: Reprodução/SiteAlvorada

Raimunda Góes há 18 anos é a responsável pela confecção dos mantos da padroeira da Diocese de Parintins

Paulo Pacheco

Ednilson Maciel | Alvorada

Parintins (AM) – Dedicação, esmero, simplicidade e gratidão. Estes sãos os atributos colocados no talento da artesã parintinense Rai Góes, 68 anos, que há 18 anos confecciona o manto que cobre a imagem de Nossa Senhora do Carmo, Padroeira da Diocese de Parintins.

Ela encontrou na confecção do manto da Mãe de Deus a oportunidade para agradecer a Nossa Senhora as bênçãos alcançadas para si e para sua família.

Dona Rai conta como se deu a iniciativa de confeccionar o manto da padroeira. Ela sentiu vontade de confeccionar o andor e para isso pediu ajuda aos Bois Caprichoso e Garantido. A ideia de dona Rai era se comprometer com a Virgem Maria. Com o tempo, ela percebeu que ela mesma deveria adquirir o material para confeccionar o manto e não os bois. A partir de então, todos os materiais usados no manto são de responsabilidade da própria dona Rai.

Concluída a confecção do manto, há um momento todo especial e simbólico de entrega a Paróquia do Carmo, que envolve toda a família e até mesmo vizinhos e amigos.

Ela explica que sua devoção foi herdada de sua mãe, que fez uma promessa a Nossa Senhora do Carmo envolvendo dona Rai, que à época era criança. Ela conta que tinha as mãos cobertas de feridas e sua mãe prometeu a Virgem do Carmelo que, se sua filha ficasse curada, a vestiria de Anjo todos os anos, até a pequena Rai Góes completar 12 anos. Pedido atendido, promessa cumprida. Ficou no coração de dona Rai a devoção a Nossa Senhora do Carmo que todos os anos se expressa na confecção do andor.

No dia 15 de julho, na missa das 12 horas, haverá a bênção do manto que cobre a imagem de Nossa Senhora do Carmo. O momento especial contará ainda com a bênção aos artistas, artesãos e demais pessoas que se envolvem nos trabalhos artísticos do Festival de Parintins.

Procissão

O manto da imagem da Virgem do Carmelo para o dia da procissão, no dia 16 de julho, já está pronto. Como todos os anos, a arte em torno do manto se desenvolve dentro da temática da festa, neste caso “Em Maria se revela o rosto da misericórdia”.

Dona Rai conta que o mais emocionante de tudo isso é a simplicidade da fé do povo católico que busca tocar o manto de Nossa Senhora. “Tocando o manto, pela fé, se toca a Mãe de Deus” afirma.

Para o Padre Rui Canto, que acompanha há seis anos os trabalhos desenvolvidos por Dona Rai Góes, o manto de Nossa Senhora é uma simbologia de fé.

Ele convida a população parintinense e em especial os artistas, artesãos e demais pessoas que atuam no meio artístico para participar no dia 15 de julho às 12h, da missa onde haverá a bênção do manto.

O Manto nas Sagradas Escrituras

Na Sagrada Escritura, no 4º livro dos Reis, capítulo 2, versículo 8 diz que uma vez, quando Elias quis atravessar o rio Jordão, ele tirou o seu Manto, tocou no rio com o Manto e o rio deixou de correr, para ele poder atravessar.

No mesmo livro diz ainda que na altura em que Elias ia ser arrebatado ao Céu, o seu sucessor Eliseu pediu-lhe o espírito profético. Elias disse-lhe: “Se te deixar o meu Manto, saberás que vais receber este espírito profético”.

você pode gostar também