‘Rainha da Selva’: Lutadora de MMA parintinense quer chegar ao UFC

A meta da lutadora parintinense Larissa Moura, 27 anos, é uma só: fazer parte do Ultimate Fighting Championship (UFC), a maior organização de Artes Maciais Mistas (MMA) do mundo. A atleta, faixa azul de jiu-jitsu e muay thai, abriu mão dos estudos e do trabalho, em Parintins, por acreditar no potencial e no sonho de viver da luta. Há dois anos, a atleta se mudou para Manaus, onde atualmente treina na Academia Cosme Júnior Team, pela qual já conquistou o maior título da carreira, o Rei da Selva Combat, no dia 28 de setembro.

A ‘Rainha da Selva’, como ficou conhecida no evento, encara uma rotina de três treinos diariamente. Para representar o Estado em competições nacionais e internacionais, Larissa ganhou o codinome ‘Amazona do MMA’, mulher guerreira. “É difícil. Dou continuidade à um sonho que eu tinha parado, por conta da minha vida pessoal. As pessoas não acreditam muito em atleta, principalmente de luta e feminina em um esporte dominado por homens. A minha família não é muito a favor, por causa das lesões que eu posso sofrer. A gente abre mão de amigos, de farra, de comida gostosa, entre outras coisas”, relata.

 

Larissa é a primeira parintinense a ser lutadora profissional de MMA e iniciou no jiu-jitsu com o lutador Júnior Orelha, aos 23 anos. “Eu abrir mão, realmente de tudo, porque eu tenho potencial, no qual acredito muito. Trabalho para poder conseguir alcançar meus objetivos que, claro, não são imediatos. Não é ano que vem que eu vou chegar lá. Se tudo der certo, daqui a uns três anos, a gente chega aos grandes eventos. UFC é o sonho de todo mundo, mas tem o Belattor, o Shooto Brasil, da Academia Nova União do Dedé Pederneira, e algumas competições femininas, entre outras”, confessa.

Quem trilha no MMA, almeja chegar à esses eventos e Larissa treina na Academia Cosme Júnior Team, de Manaus, da qual saiu a lutadora amazonense Ketlen Vieira, de Manaus, invicta no UFC. “É uma academia superestruturada, onde temos suporte total do Mestre Cosme que nos ajuda muito e é um paizão. Na luta, agora, as mulheres constroem e conquistam espaço, antes muito masculino. As mulheres começaram a quebrar essa barreira e eu quero ser um grande nome do Brasil, assim como Amanda Nunes, Jéssica Bate-Estaca, Claudia Gadelha”, revela.

Larissa trocou a faculdade de Educação Física pelo MMA. A lutadora passou três meses em Parintins e tomou gosto pela carreira na luta, depois de treinar muay thai com Geová Lino, no primeiro semestre de 2019. Em 2017, Larissa trabalhava, estudava e treinava. “No ano passado, eu fiquei só estudei e trabalhei. Não tinha tempo. Voltei para Manaus e conheci o Mestre Cosme. Foi coisa de Deus. Eu tinha ido fazer uma aula experimental, peguei um Uber, conversei com o motorista, falei que lutava e ele me disse que ia me apresentar ao Mestre Cosme”, declara.

O diálogo com o motorista de aplicativo levou a lutadora para a Academia Cosme Júnior Team, no mês de julho. “Sabe quando tu quer muito alguma coisa e Deus te ajuda? Foi isso, logo quando eu retornei para Manaus. Hoje, estou na melhor academia e decidir seguir isso. Eu sempre fui muito boa em esporte. Sabe quando tua vida passa por um turbilhão de coisa, você não sabe o que fazer e pede uma palavra de Deus? Eu li a bíblia e caiu na página justamente onde falava sobre os dons. Dizia que a gente não pode ir contra os dons e tem que trabalhar em cima. Então, eu entendi como uma resposta”, evidencia.

Larissa busca por patrocínios para custear as despesas de alimentação e suplementos. “A gente tem que entrar na dieta e nada é barato. Graças à Deus, minha irmã e meus pais me ajudam bastante. Corro atrás de apoio, porque não tem como treinar três vezes por dia e conseguir ter um bom resultado assim. É por isso que muitos desistem da carreira. Eu já vi muito atleta bom abrir mão do sonho, porque tem família para criar, pagar aluguel, transporte. A gente também vive assim, em Manaus, com muitas despesas. Tenho fé e estou dedicada para chegar aos meus objetivos”, afirma.

você pode gostar também