Secretaria de Produção Rural avalia jaraqui como nova perspectiva para piscicultura no estado

Por meio da Sepa, órgão adquire exemplares de jaraqui-de-escama-grossa e visa diversificar oferta de alevinos do Centro de Balbina

Foto: Divulgação/Sepa-Sepror.

A Secretaria de Estado de Produção Rural (Sepror), por meio da Secretaria Executiva de Pesca e Aquicultura (Sepa), adquiriu 500 exemplares de peixe da espécie jaraqui-de-escama-grossa (Semaprochilodus insignis) para seleção de matrizes e reprodutores no Centro de Tecnologia, Treinamento e Produção em Aquicultura (CTTPA), em Balbina, no município de Presidente Figueiredo (distante 117 quilômetros de Manaus).

O titular da Sepa, Leocy Cutrim, destacou a operação, ocorrida na quinta-feira (23/07). “Por meio dessas ações, a Sepa visa diversificar a oferta de alevinos do Centro de Balbina, que tradicionalmente reproduz as espécies tambaqui e matrinxã, mas que no ano 2019 também passou a ofertar alevinos de pirapitinga. Além disso, a formação do plantel de jaraquis é o primeiro passo para criação do projeto de reprodução de espécies com potencial para aquicultura ornamental”, afirmou.

O jaraqui é considerado um peixe de excelente potencial, tanto para aquicultura ornamental, quanto para a aquicultura de recria e engorda. No mercado ornamental a espécie é conhecida como “Brasileirinho”, podendo chegar até R$ 5,00 a unidade.

Na aquicultura de engorda, o jaraqui pode ser trabalhado com outras espécies de peixes (policultivo), pois tem como característica o hábito alimentar detritívoro, consumindo matéria orgânica, algas e microrganismos depositados em substratos, realizando o processo de “limpeza” do viveiro.

A seleção das matrizes e reprodutores dos peixes adquiridos agora, acontecerá entre os meses de novembro a março próximos, quando ocorre o período de reprodução da espécie.

você pode gostar também