Segundo investigação, colunista Marcolino Junior foi esfaqueado em quarto de hotel

O inquérito policial que investigava o assassinato do jornalista e colunista social Marcolino Junior concluiu que ele foi morto a facadas dentro de um quarto de motel, em Caruaru (Pernambuco). A Polícia Civil também chegou à conclusão de que o autor do crime foi a mesma pessoa que foi presa tentando vender o carro do profissional dias depois.

Segundo o portal G1, a perícia apontou que o suspeito imobilizou a vítima com um golpe de jiu-jitsu e depois proferiu três golpes com faca. A causa da morte foi o “choque hemorrágico causado por ferimento perfuro-cortante”.
A perícia também encontrou sangue no travesseiro do quarto e na escada do motel e a arma do crime foi encontrada na casa de uma mulher com quem o suspeito mantinha relação, na cidade de São Caetano.
Segundo o delegado Marcio Cruz, a polícia tem provas de que o homem que realizou o crime “matou e colocou o corpo de Marcolino na mala do carro”. Apesar do inquérito concluir que o suspeito agiu sozinho, a investigação confirmou que o assessor pessoal da vítima teria sido o mandante.
A polícia acredita que o motivo do crime teria sido o interesse pelos bens do jornalista. Os dois suspeitos serão processados. Segundo o delegado Bruno Vital, “o assessor será indiciado por latrocínio. Já o executor, será indiciado por latrocínio e ocultação de cadáver”.

Marcolino desapareceu no dia 16 de abril e foi encontrado na zona rural de Sairé, no agreste do estado, no dia 18 de abril.

Do Portal Imprensa

você pode gostar também