-Publi-A-

Último dia de intercâmbio entre Amazonas, Acre e Roraima leva gestores para conhecer queijos de Autazes

O Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam) participou, na sexta-feira (18/12), do último dia da Programação Intercâmbio Amazonas/Acre/Roraima (AMACRR), realizada pela Secretaria de Estado de Produção Rural (Sepror). A agenda foi conduzida pela gerente de Apoio à Produção Animal do Idam, Meyb Seixas, e levou gestores de secretarias do Acre e de Roraima a queijarias do município de Autazes, a 113 quilômetros de Manaus.

Durante a programação, os gestores da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Roraima (Seapa-RR); da Secretaria de Estado de Produção Agronegócio do Acre (Sepa-AC); e da Agência de Fomento do Estado de Roraima (AFERR) tiveram a oportunidade de conhecer três estabelecimentos que exemplificam a diversidade do setor de laticínios no município, além do trabalho realizado pelo Governo do Amazonas e a Prefeitura de Autazes junto aos produtores.

A primeira parada foi a queijaria Santa Maria, onde o proprietário Antônio José Roldão apresentou aos visitantes o processo de produção de queijo coalho e a forma como é reutilizado o soro para a alimentação de animais. A visita permitiu aos gestores conhecer as formas como a produção de queijos em Autazes tem inovado e se adaptado às particularidades da região.

Estabelecida em um flutuante, a queijaria Santa Maria conta ainda assim com todos os elementos necessários para a produção higienizada e eficaz de um queijo de boa qualidade. À ocasião, o gerente da agência local da Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Amazonas (ADAF), Ângelo Machado, aproveitou para explicar aos visitantes os trabalhos realizados pelos órgãos do Sistema Sepror (Idam, Adaf e ADS) em conjunto com os produtores de Autazes, auxiliando-os a se legalizaram e trabalharem conforme as regulamentações.

“Fazemos a fiscalização adequando o produtor, de modo a facilitar sua participação no mercado. Isso permite a ele comercializar com supermercados e órgãos do governo, e a participar de programas sociais”, explicou.

Tour – Em seguida, os secretários retornaram à cidade de Autazes para visitar uma queijaria em processo de legalização. A Queijaria Paiva, localizada mais próxima ao centro da cidade, tem recebido o apoio direto da prefeitura e do Sistema Sepror para começar a operar, dentro das normas sanitárias e atendendo ao padrão de qualidade dos queijos de Autazes.

A comitiva foi recebida pelo proprietário da queijaria, Neto Paiva, que conduziu os gestores em um tour pelo estabelecimento. A gerente Meyb Seixas aproveitou também a ocasião para delinear o programa Rota do Queijo aos secretários.

“A Rota do Queijo consiste em tornar o processo de legalização mais acessível, fazendo todo o acompanhamento para que o produtor possa se regularizar. Fazemos isso nos baseando na realidade do produtor, buscando adequá-lo às normas da legislação para que ele possa obter o Serviço de Inspeção Estadual”.

Por fim, a comitiva se dirigiu à fábrica Autalac Laticínios, agroindústria de referência na produção de derivados do leite. O empresário Odemar Souza, proprietário do negócio, acompanhou pessoalmente os visitantes, mostrando-lhes todo o processo de produção de laticínios, que incluem manteiga, queijos e iogurte, utilizando-se tanto o leite bovino quanto o de búfala. Eles também tiveram a oportunidade de conversar com o empresário sobre os desafios e conquistas da indústria de laticínios no Amazonas e, por extensão, na região Norte.

Conforme o secretário titular da Sepa do Acre, Edivan Maciel, a visita foi muito importante para mostrar que as dificuldades do desenvolvimento agroambiental da Amazônia podem ser resolvidas com exemplos de produção da própria região.

“O estado do Acre tem dificuldades e problemas parecidos, mas juntos vamos buscar soluções para que o agronegócio da Amazônia fique cada vez mais fortalecido”, disse.
Para o titular da Seapa-RR, Emerson Carlos Baú, o último dia de intercâmbio foi significativo para demonstrar que políticas pontuais dos institutos de apoio e defesa conseguem gerar resultados significativos para os produtores.

“Vemos várias unidades saindo da informalidade e passando a ter um registro e uma vida própria, possibilitando aos produtores novos caminhos para escoar sua produção. Com certeza vamos analisar para podermos levar algo similar ao estado de Roraima”, concluiu ele.

você pode gostar também