Únicas duas cidades do AM sem casos de Covid-19 tiveram distribuição geral de máscaras e proibição de voos comerciais

60 municípios do Amazonas registram mais de 50% dos casos confirmados da doença no estado. Cidades sem confirmações apontam eficácia de medidas antecipadas no controle da pandemia.

Quase três meses após o primeiro caso confirmado do novo coronavírus no Amazonas, o vírus se espalhou pelo estado ejá contaminou mais de 51 mil pessoas, conforme boletim de terça-feira (10). Levada por pessoas infectadas por meio de estradas e rios, a Covid-19 chegou a quase todo o estado, com exceção de duas cidades: Envira e Ipixuna.

Os dois municípios, localizados na região sudoeste do Amazonas, adotaram medidas de restrição antecipadas, ainda no mês de março, e continuam com elas em prática para manter as cidades livres da doença.

Envira e Ipixuna ficam 163 Km distantes uma da outra, indo pelo rio. As duas cidades são ligadas por uma estrada de 179 km e, apesar da distância, as duas conseguiram impedir a entrada da Covid-19.

O prefeito de Envira, Ivan Rates, contou que não foi preciso impedir a circulação de pessoas em meio as medidas de isolamento social e que todos os mais de 20 mil habitantes da cidade receberam máscara.

“O isolamento com Manaus, pelo menos na distância (1.216 km da capital), é um fator que contribui. Ainda em março, implementamos ações de controle de entrada e saída do município, ao longo dos rios e no aeroporto da cidade. Instalamos barreiras sanitárias para controlar o fluxo de pessoas, bem como a triagem, e orientação constante ao povo”, disse Rates.

O outro município sem casos confirmados da doença é Ipixuna, com cerca de 29 mil habitantes e distante 1.367 de Manaus. Na cidade, leis rígidas também foram decretadas em março.

“Quando surgiu o primeiro caso em Manaus, já fizemos o decreto proibindo várias atividades no município. Com essas medidas, nós fomos gradativamente, afrouxando um pouco ou sendo mais rigorosos. Todas as barreiras foram montadas na Calha do Rio Juruá, porque Eirunepé e Cruzeiro do Sul (AC) tem casos de Covid-19, e nós ficamos no meio”, explicou o vice-prefeito de Ipixuna, Altemiro Santana.

Segundo o vice-prefeito, todos os voos comerciais foram proibidos no município, com exceção para casos de urgência e emergência e barcos que faziam o trajeto Cruzeiro do Sul – Ipixuna só foram liberados para o abastecimento de mercadorias.

Nesta quarta-feira (10), a prefeitura de Ipixuna promete enrijecer ainda mais as medidas de restrição, diante dos casos confirmados em municípios vizinhos. Segundo o prefeito, o decreto que proíbe a chegada e saída de barcos entre Cruzeiro do Sul (AC) e Ipixuna será prorrogado por mais 30 dias.

Após o aumento da curva de contágio, o interior já registra cerca de 57% do total de casos no estado. De acordo com o Governo do Amazonas, não há UTIs no interior. Os casos mais graves precisam se deslocar para Manaus para receber tratamento.

Com informações do G1 e colaboração de Paulo Paixão.

você pode gostar também