Vacinação contra gripe no Amazonas está abaixo da meta em quase todos os grupos

vacinação contra gripe (influenza) no Amazonas está abaixo da meta em quase todos os grupos prioritários neste ano. Apenas as puérperas superaram a meta, com cobertura vacinal de 95,7%.

A meta de cobertura vacinal da Campanha contra Influenza é de 90%. Com exceção das puérperas, todos os outros grupos estão com baixa cobertura vacinal:

  • Crianças: 68,5% da população vacinada;
  • Idosos: 68,8% da população vacinada;
  • Gestantes: 82,3% da população vacinada;
  • Povos Indígenas: 82,9% da população vacinada;
  • Trabalhadores de Saúde: 83,2% da população vacinada.

 

Os dados são da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM), e são referentes ao ano de 2021, até esta segunda-feira (13).

Além dos grupos citados, considerados de maior risco, outros 10 grupos foram contemplados na campanha contra Influenza deste ano: Professores, Comorbidades, Pessoas com deficiência permanente, Caminhoneiros, Trabalhadores de Transporte Coletivo Rodoviário Passageiros Urbano e de Longo Curso, Trabalhadores Portuários, Forças de Segurança e Salvamento, Forças Armadas, Funcionários do Sistema de Privação de Liberdade, População privada de liberdade e adolescentes e jovens em medidas socioeducativas.

A FVS informou que as vacinas contra influenza são distribuídas aos municípios, e, a partir daí, eles são responsáveis pela realização das campanhas de vacinação.

A reportagem questionou a Prefeitura de Manaus sobre dados da vacinação contra a gripe, mas ainda não obteve resposta.

Secretário quer mudar calendário

 

O secretário de saúde do Amazonas, Anoar Samad, disse nesta segunda-feira (13), que quer mudar o calendário de vacinação contra a gripe para evitar novos surtos da doença no estado.

Segundo ele, a ideia é que no final de 2022, o estado receba novas doses do imunizante e comece a campanha contra o vírus primeiro que o restante do país, por conta do inverno amazônico.

“Estamos, como todo ano acontece, com surtos gripais. Temos uma reunião com o Ministério da Saúde para ver se essas vacinas da gripe, pelo menos no ano que vem, cheguem antes do que no restante do país. Por conta do inverno amazônico, o ideal seria que chegassem antes de dezembro, para a população”, disse.

 

Secretário de saúde do Amazonas, Anoar Samad. — Foto: Matheus Castro/g1
Secretário de saúde do Amazonas, Anoar Samad. — Foto: Matheus Castro/g1

Segundo o secretário, o Amazonas não tem uma cultura de vacinação contra a gripe. No entanto, mesmo assim o governo quer mudar o calendário para evitar um novo surto da doença no final do próximo ano.

“Não existe essa cultura de vacinação da gripe. Essa vacina que foi aplicada em setembro foi com a cepa de 2021. Essa cepa que está aqui provavelmente é de 2022. Precisamos trabalhar com o Ministério para que em novembro do ano que vem a gente já tenha vacina para evitar essa proliferação no ano seguinte”, reforçou.

Além da vacinação, o secretário também pediu que as pessoas mantenham os cuidados não-farmacológicos já usados contra a Covid-19, como o uso de máscara, para evitar uma proliferação de casos.

“Álcool em gel, lavar as mãos e usar máscara são medidas que não protegem apenas contra o coronavírus, mas também do vírus da influenza. É preciso que a população fique atenta e siga essas medidas”.

Com informações do g1

você pode gostar também