Viagem do presidente Jair Bolsonaro a Manaus é marcada por críticas e protestos

Foto: Jullie Pereira/ATUAL.

Da Redação
[email protected]

A viagem do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) a Manaus nesta sexta-feira (23), acompanhado pelo ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, pelo ministro do Turismo, Gilson Machado, e pelo governador do Amazonas, Wilson Lima, foi marcada por “chuvas” de críticas e protestos. As manifestações contra o presidente se deram principalmente por ele ser acusado de negligenciar na crise do oxigênio que matou centenas de amazonenses e após a Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam) aprovar na terça-feira (20) o Projeto de Lei do deputado estadual, delegado Péricles (PSL), que concede a Bolsonaro o título de Cidadão Amazonense. 21 deputados estavam presentes na sessão. O painel da Casa indicou que 19 parlamentares votaram a favor; um votou contra, sendo Serafim Corrêa (PSB), e um se absteve, o Dermilson Chagas (Podemos). Três parlamentares estariam ausentes. Os deputados Abdala Fraxe (Podemos), cabo Maciel (PL), Mayara Pinheiro (PP), Nejmi Aziz (PSD), Álvaro Campelo (PP) e Fausto Jr (MDB) informaram que eram contra o projeto e que não votaram pelo título dado ao presidente.

Foto: Agência Brasil.

A revolta foi tanta que integrantes da sociedade civil homenageados como cidadãos amazonenses fizeram questão de entregar na quinta-feira (22) as honrarias na Aleam. Além disso, mais de 100 entidades da sociedade amazonense emitiram nota de repúdio com o título dado ao presidente.

No protesto contra Jair Bolsonaro durante sua passagem por Manaus, manifestantes apresentaram cartazes e disseram palavras de ordem como “genocida”. Também houve manifestação a favor do presidente em que o apoiadores gritavam “mito”.

Na capital do estado, Bolsonaro também inaugurou a segunda etapa do Centro de Convenções do Amazonas Vasco Vasques e deu início à distribuição de mais de 270 mil cestas de alimentos para a população do Amazonas. A ação faz parte da Iniciativa Brasil Fraterno que atende famílias vulneráveis nos municípios mais afetados pela pandemia do novo coronavírus.

você pode gostar também